terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Intensidade e Durabilidade

Nada pode ser intenso a ponto de durar. Ou a intensidade se espalha por espaço-tempo continuo, ou a intensidade suga, devora e se esgota num piscar de olhos.

O pior de todas as escolhas é ter que decidir a curto e longo prazo. Pela sociedade de consumo somos educados para esgotar todas as possibilidades no menor tempo possível. A boa educação diz que devemos dar lugar para o amadurecimento, para aquilo que é seguro, tranqüilo e sereno, a ponto de confortar-nos velhice a dentro. E a filosofia da felicidade recomenda: carpe diem, aproveite o dia!

Sempre ancorei-me na segurança perene, aquela que me conforta e me aquece nas noites de chuva. Pude desfrutar de muitas conquistas com a consciência de que tudo estaria bem, uma vez que eu me dedicasse aos poucos. Como o velho ditado diz de grão em grão a galinha enche o papo, e uma longa caminhada começa com um único passo.

Mas o mais estranho de tudo é sentir-se desconfortável com o conforto, e desejar a instabilidade e o desapego. Sabendo que nada pode acabar bem, que nada vai ser como antes e nada que eu faça vai tornar a minha vida mais doce do que já foi, eu posso me ver envelhecer, sozinha, sôfrega e abandonada por tudo e todos aqueles que eu amei.

Hoje eu queria arriscar, e já não posso. Hoje eu queria o colo da minha mãe, mas já é tarde. Envelhecer significa ser capaz de dar conta de si mesma. Custe o que custar, ninguém mais pode ser responsável por mim além de mim mesma.

É muito bom me encontrar nesse momento. Tanto tempo perdida e vagando sozinha pelas trilhas sem direção. Estar comigo mesma é poder contar comigo, mesmo sabendo que tudo pode dar errado e que mesmo que eu faça uma enorme burrada, ainda terei eu ao meu lado.

Ter que decidir por uma coisa ou outra significa ser capaz de abrir mão e apostar alto. Não sei prever o futuro, mas posso ver que a minha conta chegará, porque tudo tarda, mas não falha.

5 comentários:

Dom disse...

Dom Quixote
(ventoonde.blogspot.com):

O futuro nos espera com uma incerteza, incerteza que a gente só vai compreendelá quando ela já tiver ficado para trás.

...eu me perdi em pensamento e me encontrei no silêncio.

Andrew disse...

"Sempre ancorei-me na segurança perene, aquela que me conforta e me aquece nas noites de chuva."

e os dias de sol seguido de noites calorosas?? Um bom Pirata sabe são os melhores momentos para se navegar até onde não se pode ter ideia de onde se esta indo... tim tim... um porre de Rum?

.ana disse...

acho que qd estamos com a vida conturbada, pedimos por paz.
e qd tudo está muito tranqüilo, queremos agito... instabilidade, mais emoção... o ser humano parece um insatisfeito por natureza. nossa mente é um tanto complexa...

e o que disseste é bem verdade: "Estar comigo mesma é poder contar comigo, mesmo sabendo que tudo pode dar errado e que mesmo que eu faça uma enorme burrada, ainda terei eu ao meu lado."
nós não somos NADA sem nós mesmos ao nosso lado.
[redundante, mas é por aí...]

=)
beijos!!!

Poly Jomasi disse...

carpe diem... é verdade a sociedade nos educa a esgotar tudo o mais rápido possivel... prefiro curtir cada momento para aproveitá-lo ao máximo! bju adorei aki posso voltar mais vezes? tomei a liberdade de te add no smeus favoritos rs bju!

Guanabara disse...

Dar conta de si mesmo é uma alegria e um cansaço, uma loucura, um risco... Será mesmo possível? ... A gente vai tentando... Sem conseguir e, talvez, por isso mesmo, conseguindo... rss bjs